Como lidar com uma cacetada de ideias

PSD posts dicas

Sugestão de Tsuki Dias.

Cacetada: é uma palavra feia, mas ao mesmo tempo engraçada, não é? Pois é. Mas acredito que não tenha outra palavra melhor que se encaixa nessa situação: a de você estar escrevendo um livro, e de repente, aparecem centenas de ideias — cacetadas de ideias. E elas ficam lá, te aporrinhando, pedindo atenção, querendo ser escritas e fazendo propostas políticas de que elas vão mudar sua vida, de que você vai ter sucesso com elas, que você finalmente vai sair da sarjeta literária e outras coisas que, às vezes, você fica com o pé atrás de colocá-las em prática.

Eu sofro desse problema de cacetada de ideias. Para alguns, ter várias ideias é um privilégio — você nunca vai parar de escrever, nunca vai abandonar a carreira de escritor por não ter mais nada de novo para escrever, nunca vai ficar sem escrever e sempre terá oportunidades. Mas, para outros, é um filme de terror. Ter centenas de ideias mais atrapalha do que ajuda, afinal, algumas parecem, à primeira vista, serem tão boas que você fica se coçando e passando dia e noite em querer escrevê-las.

O grande problema é que, muitas vezes, essas ideias deslumbrantes aparecem justamente quando você já está escrevendo algo. E você sabe muito bem que, se começar a escrever algo e parar para escrever outra coisa, você muito provavelmente não vai conseguir terminar nenhuma das duas histórias. Porque na maioria das vezes são histórias distintas, de ideias totalmente diferentes, com gêneros extremamente opostos. Dificilmente você vai conseguir escrever uma enquanto escreve outra e não transferir algo de uma para outra e assim, embaralhar as duas histórias.

A minha sorte é que, depois de muitos anos, eu aprendi a lidar com a cacetadas de ideias que aparecem toda vez que vejo algo novo e maravilhoso, e uma história inteira se monta na minha cabeça. Aprendi a dar prioridade ao que estou trabalhando agora e deixar essas ideias novas para depois — sabe aquela frase respeite os mais velhos? Ela nunca teve tanto significado para mim quanto hoje, principalmente nessas situações. Com isso, as minhas dicas são:

Aprenda a trabalhar o foco na história que está escrevendo atualmente. O foco é uma coisa extremamente importante, mesmo quando se tem uma história nova querendo pular no seu colo e pedir por carinho na pior hora como um gato mimado. Se você sabe trabalhá-lo, conseguirá se manter em apenas uma história de cada vez e conseguir terminá-la e não fugir dela com muito sucesso e antes do que imaginava. Se você está trabalhando em uma história com alienígenas, então envolva-se de histórias de alienígenas: leia coisas sobre, desde artigos da UFO até livros como Cowboys & Aliens; assista seriados, filmes; faça do canal ScyFy seu favorito. Quanto mais envolvido no seu tema você estiver, mais focado e inspirado você estará para a sua história e constantemente se sentirá com vontade de escrever e até mesmo ter novas ideias dentro da sua história, o que a tornará mais rica, detalhada e completa, e facilitaria a conclusão dela.

Respeite a história atual — ela é a mais velha. Você pode estar trabalhando há duas semanas, dois meses ou até dois anos nessa história que você está escrevendo. E tudo isso significa investimento, tanto de tempo, quanto de paciência e ideias. Você já tem um planejamento maior dela, provavelmente já tem ela inteiramente definida, saberá o rumo que ela vai tomar e investiu um tempo danado de estudo para que ela fique perfeita. Pense uma, duas, três ou vinte vezes: você realmente vai jogar todo esse tempo de estudo e trabalho dessa ideia fora por causa de uma ideia que teve tomando banho e que nem sabe se realmente vai funcionar? Termine sua história velha primeiro. Depois, trabalhe a nova. Não desmereça sua história velha e que ainda está sendo trabalhada, onde você sabe de tudo, tem tudo planejado e nos trinques, por uma nova ideia que você mal sabe que caminho ela vai tomar.

Deixe a ideia nova amadurecer. Mesmo que tenha terminado uma história agora, não trabalhe imediatamente na nova ideia. Deixe-a amadurecer. Às vezes, tudo o que você tem dela é apenas um fragmento de uma história imensa e que pode ser o próximo bestseller. É dessa forma que muitas ótimas ideias aparecem: de um diálogo, uma imagem, uma cena; até mesmo a parte final. Anote essa ideia em algum canto, em uma pasta escondida no seu computador (aquela que você guarda todas as ideias metidas que aparecem no meio de um projeto) e esqueça-a lá. Mais tarde, você pode ter outras coisas a adicionar nela e torná-la ainda melhor, ou alterá-la, deixando-a com um aspecto mais profissional e menos escritor amador. De início, ela pode ser maravilhosa — todas as novas ideias são —, mas depois de um tempo, você perceberá que, na verdade, ela precisa ser amadurecida e bem trabalhada para que fique algo excepcionalmente bom e sem furos.

Anote tudo o que ela te oferecer. Por mais que você tenha a deixado de lado para trabalhar na história atual, não deixe de anotar todas as cenas, diálogos ou personagens que ela te oferecer em meio a leituras aleatórias, madrugadas sem dormir ou o banho inspirador nosso de cada dia. Anote tudo, sejam em trechos, tópicos, diálogos ou até mesmo em imagens e, se possível, salve-os na mesma pasta ou deixe anotado no mesmo caderno que essa nova ideia — atualmente, afastada — estiver. Assim, quando tiver tempo, foco e disposição para escrevê-la, você não terá apenas um item muitas vezes sem pé nem cabeça para se trabalhar, mas, sim, uma parte grande de uma história completa. E até mesmo, como dito antes, mais amadurecida do que antes.

Se a ideia é realmente muito boa, veja se ela não é adaptável para sua atual história. Às vezes a ideia é tão boa e tão chata por atenção que você sente que é impossível não escrevê-la agora. O que já fiz muitas vezes — até mesmo para limpar minha lista de novas histórias — é juntar uma ideia na hora. Com estudo sobre ela e sobre a sua história, veja se ela não é adaptável para a história que você está trabalhando agora; muitas vezes a nova ideia pode ser apenas um trecho legal, um diálogo, ou um personagem. Mas será que não ficaria bom na sua história atual? Será que ela não seria algo muito bacana e que pode dar uma oportunidade de um desfecho maravilhoso para a sua história atual? Estude bem e veja a possibilidade. Caso contrário, deixe ela de lado até terminar de escrever.

Essas são as dicas de hoje! E aí, conhece mais alguma dica sobre como lidar com várias ideias? Compartilha aí! Não deixe de comentar!

Boa escrita para você!

Bio Gabs

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s